MOVIE REVIEW: “Knock at the Cabin” (2023)

avatar
(Edited)

This publication was also writen in SPANISH and PORTUGUESE.

knock01.png

IMDb

Synopsis: During a family vacation to a forest, a girl and her parents are taken hostage by some armed strangers who appear out of nowhere, requiring the family to make an unorthodox choice to try to avoid the apocalypse.

Dealing with family tensions in the midst of relatively random themes (not by their very nature, but by the way they are presented) that refer to fanaticism becomes a great challenge for two fathers and their daughter. During a family trip, they are cornered by a group of strangers who make them a proposal that will stir their emotions: save their own family or avoid a (possible) apocalypse. Within the emptiest narratives and some with more consistency, this movie tries to navigate in deep waters with some more troubled content and even if it manages to do that sometimes, the basis for establishing itself as something interesting is flawed.

knock02.jpg

BBC

Based on the book The Cabin at the End of the World (written by Paul G. Tremblay), the plot is efficient in managing to create a tense atmosphere and with that it will certainly manage to attract the public's attention. The problem is that this term of "magnetism" has a very short validity, because it doesn't take long for events to become a "philosophical wave" about the end of the world with a somewhat tiresome approach and that sometimes does not make the slightest difference. sense. I can understand the script's need to create aggregating elements that are apparently not incomprehensible at first sight (because that increases the suspense), but their excess spoils a lot.

Betting on an environment that had everything to work very well, the development of the movie follows linear lines that do not deliver what they promise. The density of the story is weak in relation to its events, and this, in addition to creating a lack of credibility for the project, also causes frustration in those who are watching. One of the most ironic things here is that the script brings very important themes in its scope (such as family, skepticism, homoaffective relationships and religion with a more generic look, but still important due to its main context), but which it does not know how to take advantage of. its full potential (which is good). The movie's glow fades as it advances across the screen.

knock03.jpg

Stylist

Considered by many cinephiles as the “king of plot twits” (in my opinion, an extremely exaggerated and quite unnecessary fame), M. Night Shyamalan is back. Now, he brings a more concentrated plot, with a denser setting, without many variations of scenery and tries to develop the movie within an optic full of an element that is not very strange to him: peculiarities. Using the apocalypse as the biggest background of the plot, the script bets on a tense climate, which despite not being sustained in this way for a long time, still manages to be very efficient in strategic moments for the construction of its entire story, and of the characters.

Shyamalan isn't a bad director, but he seems to have a chronic problem with the vast majority of his movies. Whether as a director or as a screenwriter, it is no longer possible to see all the courage and creativity that made his name one of the main references in relation to Thriller movies. This new movie is further proof of that, because even if his work (in both roles) has been minimally decent, everything falls far short of what he is capable of doing. Perhaps, its greatest success was extracting a number of very good performances from the regular cast. Not everything in this movie is lost, but all the debate it could generate is lost.

knock04.jpg

Polygon

Leading the cast (which is competent within the presented proposal) is the inconsistent (and almost always bad) Dave Bautista, who, to my surprise, delivers his best work. The characters are built with a good idea, bringing a relatively well-explained narrative line, but which is not so in-depth as to have a more intense convincing power. This does not negate the good performances, which help the movie to become something more attractive, because it is precisely the cast that saves the movie from being an intense failure in the long term. There are great tension scenes and philosophical debates between the characters, but at certain times, everything gets tiring.

The proposition of supernatural conflicts is never worked properly and it's almost as if the movie had inserted this theme just to increase the tension, which even works, but becomes empty soon after. The decision to do this is costly for the plot, which becomes uninteresting as it does not deliver what it is trying to build. Skepticism had a huge space to grow in the script (the idea of alienated human beings and unpredictable behavior in the face of facts that at first sight cannot be explained is very efficient), but the decision to focus on other themes steals the scene, and the result of this is a conclusion without proper explanation.

knock05.png

Vanity Fair

Knock at the Cabin had the strength to be one of the most interesting movies of Shyamalan's career, but it's sad to see a project that is visibly good, being practically thrown down the drain by the wrong decisions of a professional who should know what he wants to deliver to the public. Despite the technical aspects being efficient (good lighting, well-chosen scenery, editing with great camera play), the subjectivity of the text is much less daring than it should be and, once again, this only demonstrates the lack of courage to bet higher within the narrative itself. Inexplicable facts that are scattered throughout the script remain in "limbo" and this non-explanatory artifice is a mistake.

[ OFFICIAL TRAILER ]


CRÍTICA DE PELÍCULA: “Llaman a la puerta” (2023)

Sinopsis: Durante unas vacaciones familiares en un bosque, una niña y sus padres son tomados como rehenes por extraños armados que aparecen de la nada, lo que requiere que la familia tome una decisión poco ortodoxa para tratar de evitar el apocalipses.

Abordar las tensiones familiares en medio de temas relativamente aleatorios (no por su propia naturaleza, sino por la forma en que se presentan) que remiten al fanatismo se convierte en un gran desafío para dos padres y su hija. Durante un viaje familiar, se ven acorralados por un grupo de desconocidos que les hacen una propuesta que despertará sus emociones: salvar a su propia familia o evitar un (posible) apocalipsis. Dentro de las narrativas más vacías y algunas con más consistencia, esta película intenta navegar en aguas profundas con algunos contenidos más conflictivos y aunque lo logra en ocasiones, la base para establecerse como algo interesante falla.

Basada en el libro La cabaña del fin del mundo (escrito por Paul G. Tremblay), la trama es eficiente en lograr crear una atmósfera tensa y con eso seguramente logrará atraer la atención del público. El problema es que este término de "magnetismo" tiene una vigencia muy corta, pues los acontecimientos no tardan en convertirse en una "ola filosófica" sobre el fin del mundo con un enfoque un tanto cansino y que a veces no llega a la conclusión. mínima diferencia sentido. Puedo entender la necesidad del guión de crear elementos agregados que aparentemente no son incomprensibles a primera vista (porque eso aumenta el suspenso), pero su exceso estropea mucho.

Apostando por un entorno que tenía todo para funcionar muy bien, el desarrollo de la película sigue unas líneas lineales que no cumplen lo que prometen. La densidad de la historia es débil en relación con sus hechos, y esto, además de crear una falta de credibilidad para el proyecto, también genera frustración en quienes están mirando. Una de las cosas más irónicas aquí es que el guión trae temas muy importantes en su alcance (como la familia, el escepticismo, las relaciones homoafectivas y la religión con una mirada más genérica, pero aún importante debido a su contexto principal), pero que no saber aprovechar todo su potencial (que es bueno). El brillo de la película se desvanece a medida que avanza por la pantalla.

Considerado por muchos cinéfilos como el “rey de los tuits argumentales” (en mi opinión, una fama extremadamente exagerada y bastante innecesaria), M. Night Shyamalan está de regreso. Ahora, trae una trama más concentrada, con una ambientación más densa, sin muchas variaciones de escenografía e intenta desarrollar la película dentro de una óptica llena de un elemento que no le resulta muy extraño: las peculiaridades. Utilizando el apocalipsis como mayor trasfondo de la trama, el guión apuesta por un clima tenso, que a pesar de no sostenerse así por mucho tiempo, aún logra ser muy eficiente en momentos estratégicos para la construcción de toda su historia, y de los personajes

Shyamalan no es un mal director, pero parece tener un problema crónico con la gran mayoría de sus películas. Ya sea como director o como guionista, ya no se puede ver toda la valentía y creatividad que hicieron de su nombre uno de los principales referentes en relación al cine de Suspenso. Esta nueva película es una prueba más de ello, ya que si bien su trabajo (en ambos roles) ha sido mínimamente decente, todo se queda muy por debajo de lo que es capaz de hacer. Quizás, su mayor éxito fue extraer una serie de muy buenas actuaciones del elenco habitual. No todo en esta película está perdido, pero sí todo el debate que podría generar.

Liderando el elenco (que es competente dentro de la propuesta presentada) está el inconsistente (y casi siempre malo) Dave Bautista, quien, para mi sorpresa, entrega su mejor trabajo. Los personajes están construidos con una buena idea, trayendo una línea narrativa relativamente bien explicada, pero que no es tan profunda como para tener un poder de convencimiento más intenso. Eso no quita las buenas actuaciones, que ayudan a que la película se convierta en algo más atractivo, porque es precisamente el elenco lo que salva a la película de ser un fracaso intenso a la larga. Hay grandes escenas de tensión y debates filosóficos entre los personajes, pero en ciertos momentos todo se vuelve cansino.

La proposición de conflictos sobrenaturales nunca es trabajada adecuadamente y es casi como si la película hubiera insertado este tema solo para aumentar la tensión, que incluso funciona, pero se vacía poco después. La decisión de hacer esto es costosa para la trama, que se vuelve poco interesante ya que no entrega lo que está tratando de construir. El escepticismo tuvo un enorme espacio para crecer en el guión (la idea de seres humanos alienados y comportamientos impredecibles ante hechos que a primera vista no se pueden explicar es muy eficiente), pero la decisión de enfocarse en otros temas se roba la escena. , y el resultado de esto es una conclusión sin una explicación adecuada.

Llaman a la puerta tenía la fuerza para ser una de las películas más interesantes de la carrera de Shyamalan, pero es triste ver un proyecto que es visiblemente bueno, siendo prácticamente tirado por el desagüe por las decisiones equivocadas de un profesional que debería saber lo que hace. quiere entregar al público. A pesar de que los aspectos técnicos son eficientes (buena iluminación, escenografía bien elegida, montaje con gran juego de cámara), la subjetividad del texto es mucho menos atrevida de lo que debería ser y, una vez más, esto solo demuestra la falta de valor para apostar más alto dentro de la narración misma. Los hechos inexplicables que se encuentran dispersos a lo largo del guión quedan en el "limbo" y este artificio no explicativo es un error.


CRÍTICA DE FILME: “Batem à Porta” (2023)

Sinopse: Durante as férias em família para uma floresta, uma menina e seus pais são feitos reféns por alguns estranhos armados que surgem do nada, exigindo que a família faça uma escolha nada ortodoxa para tentar evitar o apocalipse.

Lidar com tensões familiares em meio a temas relativamente aleatórios (não pela sua própria natureza, mas pela maneira com o qual eles são apresentados) que remetem ao fanatismo se torna um grande desafio para dois pais e sua filha. Durante uma viagem em família, eles são encurralados por um grupo de estranhos que lhes fazem uma proposta que vai mexer com às emoções deles: salvar a própria família ou evitar um (possível) apocalipse. Dentro das narrativas mais vazias e algumas com mais consistência, este filme tenta navegar em águas profundas com algum teor mais conturbado e mesmo que consiga fazer isso algumas vezes, à base para se firmar como algo interessante é falha.

Baseado no livro O Chalé no Fim do Mundo (escrito por Paul G. Tremblay), a trama é eficiente ao conseguir criar uma atmosfera tensa e com isso certamente vai conseguir atrair à atenção do público. O problema é que esse prazo de “magnetismo” tem uma validade muito curta, porque não demora muito para que os acontecimentos se tornem em uma “onda filosófica” sobre o fim do mundo com uma abordagem meio cansativa e que às vezes não faz o menor sentido. Eu consigo entender a necessidade do roteiro em criar elementos agregadores que aparentemente não são incompreensíveis à primeira vista (porque isso aumenta o clima de suspense), mas o excesso deles estraga muita coisa.

Apostando em uma ambientação que tinha tudo para funcionar muito bem, o desenvolvimento do filme segue linhas lineares que não entregam o que prometem. A densidade da estória é fraca perante aos seus acontecimentos, e isso além de criar uma falta de credibilidade para o projeto, também causa frustração em quem está assistindo. Uma das coisas mais irônicas aqui, é que o roteiro traz temas muito importantes no seu escopo (como família, ceticismo, relação homoafetiva e religião com um olhar mais genérico, mas ainda sim, importante pelo seu contexto principal), mas que não sabe aproveitar todo o seu potencial (que é bom). O brilho do filme se desfaz à medida em que ele avança na tela.

Considerado por muitos cinéfilos como o “rei dos plot twits” (na minha opinião, uma fama extremamente exagerada e bastante desnecessária), M. Night Shyamalan está de volta. Agora, ele traz uma trama mais concentrada, com uma ambientação mais densa, sem muitas variações de cenário e tenta desenvolver o filme dentro de uma ótica repleta de um elemento que não lhe é muito estranho: peculiaridades. Utilizando o apocalipse como o maior plano de fundo da trama, o roteiro aposta em um clima tenso, que apesar de não se sustentar dessa maneira por muito tempo, ainda consegue ser muito eficiente em momentos estratégicos para à construção de toda à sua estória, e dos personagens.

Shyamalan não é um diretor ruim, mas ele parece ter um problema crônico com a grande maioria dos seus filmes. Seja como diretor ou como roteirista, não é mais possível ver toda à coragem e à criatividade que colocou o nome dele como uma das principais referências em relação aos filmes de Suspense. Este novo filme é mais uma prova disso, porque mesmo que o trabalho dele (em ambas as funções) tenha sido minimamente decente, tudo está muito aquém do que ele tem capacidade de fazer. Talvez, o seu maior acerto tenha sido extrair do elenco regular uma quantidade de performances muito boas. Nem tudo neste filme está perdido, mas todo o debate que ele poderia gerar é perdido.

Liderando o elenco (que é competente dentro da proposta apresentada) está o inconsistente (e quase sempre ruim) Dave Bautista, que para à minha surpresa, entrega o seu melhor trabalho. Os personagens são construídos com uma boa ideia, trazendo uma linha narrativa relativamente bem explicada, mas que não é tão aprofundada a ponto de ter um poder de convencimento mais intenso. Isso não anula as boas atuações, que ajudam o filme a se tornar em algo com um atrativo maior, porque é justamente o elenco que salva o filme de ser um fracasso intenso em um longo prazo. Há ótimas cenas de tensão e debates filosóficos entre os personagens, mas em certos momentos, tudo fica cansativo.

A proposta dos conflitos sobrenaturais nunca são trabalhadas de maneira apropriada e é quase como se o filme tivesse inserido esse tema apenas para aumentar o clima de tensão, que até funciona, mas se torna vazio logo em seguida. A decisão de fazer isso custa caro para a trama, que se torna desinteressante à medida em que não entrega o que vai tentando construir. O ceticismo tinha um espaço gigantesco para crescer no roteiro (a ideia do ser humano alienado e de comportamento imprevisível perante à fatos que à primeira vista não podem ser explicados é muito eficiente), mas a decisão de focar em outros temas rouba à cena, e o resultado disso é uma conclusão sem explicação apropriada.

Batem à Porta tinha força para ser um dos filmes mais interessantes da carreia do Shyamalan, mas é triste ver um projeto que é visivelmente bom, ser praticamente jogado pelo ralo por decisões equivocadas de um profissional que deveria saber o que quer entregar para o público. Apesar dos aspectos técnicos serem eficientes (boa iluminação, cenário bem escolhido, edição com ótimos jogos de câmeras), a subjetividade do texto é muito menos ousada do que deveria e, uma vez mais, isso só demonstra a falta de coragem em apostar mais alto dentro da própria narrativa. Fatos inexplicáveis que são espalhados por todo o roteiro permanecem no “limbo” e esse artifício não explicativo é um erro.



0
0
0.000
12 comments
avatar

No entendí mucho de que va la película, pero se ve que tiene un tema interesante es la primera vez que escucho sobre esta historia, podría darle la oportunidad para entender mejor tu punto de vista, gracias por compartirnos tu opinión, saludos.

avatar

El tema es realmente interesante, pero la película no tanto.

avatar

Hola amigo, haces ver interesante esta película hehe, en lo que pueda la veré, buena reseña, saludos y bendiciones!!!

avatar

I am very interested in watching this film but I feel a bit sad knowing this promising project could be so much better and that it doesn't take advantage of its full potential. I hope it is still a worth watching production and I will most likely share my opinion once I have watched it.

avatar

I think it's a movie worth watching (especially for fans of Shyamalan's work), but you better to go with low expectations for the conclusion, especially.

avatar

Nao assisti ainda mas eu ele eh bem criativo , o problema dele as vezes é amarrar as pontas ai estraga um pouco
!1UP