MOVIE REVIEW: "Space Jam: A New Legacy" (2021)

avatar

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

space_jam_a_new_legacy01.jpg

IMDb

Synopsis: Basketball superstar LeBron James joins the Looney Tunes gang to defeat the Goon Squad and save his son from the clutches of AI G (an "personification" of an artificial intelligence who has wild plans to be recognized by others people who underestimate its presence and power).

Within the Seventh Art, I think that redesigning a classic film is always one of the most difficult tasks filmmakers can have, because basically, almost always many affective memories from millions of people are "attached" to these types of projects. In the case of cartoons, this level can be even higher, and bring extra challenges because it is something that needs to please not only the child audience (the new generation), but at the same time, it has to please the older audience (the old one) as well. generation). This scenario is precisely what has fundamental weight in this new adaptation of a classic children's movie, where the dear looney tunes returned.

space_jam_a_new_legacy02.jpg

Thunder Wave

When it comes to cartoons, one of Warner Bros.'s main flagships. are looney tunes and all their craziest and funniest adventures. After mastering the small screen, the next step was to do the same on the big screen and one of the most successful chapters among some attempts made came through Space Jam, released in 1996. Now, 25 years later, the same world of "basketball crazy" comes to life and brings back another celebrity of the sport and a very popular team of unforgettable cartoons. The arguments for creating the movie were pretty solid (within your proposal, obviously) and really cool.

Privately speaking, I still prefer the first movie. However, it is impossible to deny all the hits that are scattered in this new version. The writers were very careful to bring in all the characters of the most relevant weight and treat them with due respect to make them something that would be well regarded by the audience. For the most part, the script manages to be fun, dynamic (although its time is a little stretched for a project with this theme) and brings a current connection with the modern language of video game technology. Without a doubt, this is a very good-humored attempt to revive a classic for a new generation.

space_jam_a_new_legacy03.jpg

IndieWire

Aware from the beginning that it was necessary to feed the level of "surreality" at all costs, all the events that build the plot are crazy enough to fit perfectly into what viewers can expect (especially those who have already watched the film. original). The mix between humans and cartoons happens in a kind of "abrupt" way (breaking a little of the charm that brought the essential strength of this project), but after this "strange" moment is in the recent past, everything starts to do more and more sense and all the craziness seen among the little plots scattered in the film work.

Even though it's not as iconic a movie as the original, most of the jokes bring genuine laughs and bring in the classic elements (at least some of them) that have worked so well before. The cartoon team is inserted into this new adventure in an unexpected way, as they gradually appear, from setting to setting that make incredibly fun and intelligent references to many other films from many different genres (this is the highest point of cinematographic references and also the best original idea).

space_jam_a_new_legacy04.jpg

Burada Biliyorum

Each character is recruited, in a private world within a huge animated world (which is currently "divided" by an evil plot created by the big plot villain), to participate along with LeBron (who is now the film's human protagonist) of a basketball game to rescue his son. Everyone is on the radar of an enemy who has a megalomaniac mind, and who wants to carry out an audacious plan to gain worldwide recognition. However, Don Cheadle didn't manage to bring a singular characteristic, or at least fun, to make the villain a good character and gets a bit lost throughout the plot.

In the same boat as Cheadle is LeBron James (who, like Michael Joran, has proven to be an actor and comedic performer of highly questionable quality). The big difference is that Cheadle is an actor who has established himself in Hollywood in other films while James is a competent basketball player working outside his niche. This means that who delivered a worse job was Cheadle, for not being able to create a minimally believable villain. In the voice team, only Zendaya's name is the most famous and most efficient. The rest of the cast does a good job too, but it's not as expressive in the wider context.

space_jam_a_new_legacy05.jpg

AdoroCinema

One of the most annoying flaws in the script is to think that everything can be done anyway, without the information being properly presented to viewers. I know the whole movie is a joke and sounds nostalgic, but still, within all of its narrative surreality, you need to establish a minimal level of connection with the ideas that are being built. In some moments, the script forgets its main motivation and prefers to opt for the most absurd path in an attempt to create something original (without having the expected result). The comic frenzy often sounds like something new, but it soon gets a little tiring.

The presence of countless characters from other films (much more than any viewer can and can count) is initially a good surprise, but this "exercise" of recognizing them all takes the focus away from the plot and breaks it into a few fragments that are totally unnecessary. Although some moments in the final scenes will be even more inconsistent, everything is underpinned by the absurd essence of the original material. An idea that had the potential to be even better if it had been more consistent with their ideas, from its first scenes (something focused on more familiar aspects) to its essentially "dramatic" ending.

space_jam_a_new_legacy06.jpg

The Cinemaholic

Directed (with alternating moments between good, medium and bad) by Malcolm D. Lee, technically, there is a very interesting digital effects work and a very frantic explosion of colors. However, Space Jam loses a little (despite still being a good movie) for betting on the excess of characters, in the sets, and its worst mistake, maybe it was believing that the public would love to watch a great marketing piece from HBO for almost two hours (because the channel's catalog of characters is a strong presence and at the same time quite uncomfortable because it ends up "invading" a space that should never have "invaded").


CRÍTICA DE PELÍCULA: "Space Jam: Nuevas leyendas" (2021)

Sinopsis: La superestrella del baloncesto LeBron James se une a la pandilla de los Looney Tunes para derrotar al Goon Squad y salvar a su hijo de las garras de AI G (una "personificación" de una inteligencia artificial que tiene planes descabellados para ser reconocido por otras personas que subestiman su presencia y poder).

Dentro del Séptimo Arte, creo que rediseñar una película clásica es siempre una de las tareas más difíciles que pueden tener los cineastas, porque básicamente, casi siempre muchos recuerdos afectivos de millones de personas están "apegados" a este tipo de proyectos. En el caso de los dibujos animados, este nivel puede ser aún más alto y traer desafíos adicionales porque es algo que debe complacer no solo al público infantil (la nueva generación), sino que al mismo tiempo, debe complacer al público mayor ( el antiguo) también. generación). Este escenario es precisamente el que tiene peso fundamental en esta nueva adaptación de un clásico de la película infantil, donde regresaban los queridos looney tunes.

Cuando se trata de dibujos animados, uno de los principales buques insignia de Warner Bros. son los looney tunes y todas sus aventuras más locas y divertidas. Después de dominar la pantalla chica, el siguiente paso fue hacer lo mismo en la pantalla grande y uno de los capítulos más exitosos de algunos intentos llegó a través de Space Jam, lanzado en 1996. Ahora, 25 años después, el mismo mundo del "baloncesto loco “Cobra vida y trae de vuelta a otra celebridad del deporte y un equipo muy popular de dibujos animados inolvidables. Los argumentos para crear la película eran bastante sólidos (dentro de tu propuesta, obviamente) y realmente geniales.

Hablando en privado, sigo prefiriendo la primera película. Sin embargo, es imposible negar todos los hits que se encuentran dispersos en esta nueva versión. Los guionistas tuvieron mucho cuidado en incorporar a todos los personajes del peso más relevante y tratarlos con el debido respeto para convertirlos en algo que fuera bien considerado por el público. En su mayor parte, el guión logra ser divertido, dinámico (aunque su tiempo está un poco estirado para un proyecto con esta temática) y trae una conexión actual con el lenguaje moderno de la tecnología de los videojuegos. Sin duda, este es un intento de muy buen humor de revivir un clásico para una nueva generación.

Conscientes desde el principio de que era necesario alimentar el nivel de "surrealidad" a toda costa, todos los hechos que construyen la trama son lo suficientemente locos como para encajar a la perfección en lo que pueden esperar los espectadores (especialmente aquellos que ya han visto la película. Original) . La mezcla entre humanos y dibujos animados ocurre de una manera algo "abrupta" (rompiendo un poco el encanto que traía la fuerza esencial de este proyecto), pero luego de ese momento "extraño" que es en el pasado reciente, todo comienza a funcionar. cada vez más sentido y toda la locura que se ve entre las pequeñas tramas esparcidas en la obra cinematográfica.

Aunque no es una película tan icónica como la original, la mayoría de los chistes provocan risas genuinas y aportan los elementos clásicos (al menos algunos de ellos) que han funcionado tan bien antes. El equipo de caricaturas se inserta en esta nueva aventura de una manera inesperada, a medida que van apareciendo, de un escenario a otro que hacen referencias increíblemente divertidas e inteligentes a muchas otras películas de muchos géneros diferentes (este es el punto más alto de referencias cinematográficas y también el mejor idea original).

Cada personaje es reclutado, en un mundo privado dentro de un enorme mundo animado (que actualmente está "dividido" por una trama malvada creada por el villano de la gran trama), para participar junto con LeBron (que ahora es el protagonista humano de la película) de una pelota de baloncesto. juego para rescatar a su hijo. Todos están en el radar de un enemigo que tiene una mente megalómana y que quiere llevar a cabo un plan audaz para ganar reconocimiento mundial. Sin embargo, Don Cheadle no logró aportar una característica singular, o al menos divertida, para hacer del villano un buen personaje y se pierde un poco a lo largo de la trama.

En el mismo barco que Cheadle está LeBron James (quien, como Michael Joran, ha demostrado ser un actor y comediante de calidad muy cuestionable). La gran diferencia es que Cheadle es un actor que se ha establecido en Hollywood en otras películas, mientras que James es un jugador de baloncesto competente que trabaja fuera de su nicho. Esto significa que quien entregó un peor trabajo fue Cheadle, por no poder crear un villano mínimamente creíble. En el equipo de voces, solo el nombre de Zendaya es el más famoso y el más eficiente. El resto del elenco también hace un buen trabajo, pero no es tan expresivo en el contexto más amplio.

Uno de los defectos más molestos del guión es pensar que todo se puede hacer de todos modos, sin que la información se presente correctamente a los espectadores. Sé que toda la película es una broma y suena nostálgica, pero aún así, dentro de toda su surrealidad narrativa, necesitas establecer un nivel mínimo de conexión con las ideas que se están construyendo. En algunos momentos, el guión olvida su principal motivación y prefiere optar por el camino más absurdo en un intento de crear algo original (sin tener el resultado esperado). El frenesí cómico a menudo suena como algo nuevo, pero pronto se vuelve un poco agotador.

La presencia de innumerables personajes de otras películas (mucho más de los que cualquier espectador puede y puede contar) es inicialmente una buena sorpresa, pero este "ejercicio" de reconocerlos a todos quita el foco de la trama y la rompe en algunos fragmentos que son totalmente innecesario. Aunque algunos momentos de las escenas finales serán aún más inconsistentes, todo está apuntalado por la esencia absurda del material original. Una idea que tenía el potencial de ser aún mejor si hubiera sido más consistente con sus ideas, desde sus primeras escenas (algo enfocado en aspectos más familiares) hasta su final esencialmente "dramático".

Dirigida (con momentos alternados entre buenos, medios y malos) por Malcolm D. Lee, técnicamente hay un trabajo de efectos digitales muy interesante y una explosión de colores muy frenética. Sin embargo, Space Jam pierde un poco (a pesar de seguir siendo una buena película) por apostar por el exceso de personajes, en los decorados, y su peor error, tal vez fue creer que al público le encantaría ver una gran pieza de marketing de HBO para casi dos horas (porque el catálogo de personajes del canal es una presencia fuerte y a la vez bastante incómoda porque acaba "invadiendo" un espacio que nunca debió "invadir").


CRÍTICA DE FILME: "Space Jam: Um Novo Legado" (2021)

Sinopse: O superastro do basquete, LeBron James, se junta à gangue dos Looney Tunes para derrotar o Goon Squad e salvar o seu filho das garras de AI G (uma "personificação" de uma inteligência artifical que tem planos mirabolantes para ser reconhecido pelas outras pessoas que subestimam à sua presença e o seu poder).

Dentro da Sétima Arte, eu penso que repaginar um filme clássico é sempre uma das tarefas mais difíceis que os cineastas podem ter, porque basicamente, quase sempre muitas memórais afetivas de milhões de pessoas estão "ligadas" a esses tipos de projetos. No caso dos desenhos animados, esse nível pode ser ainda mais elevado, e trazer desafios extras porque é algo que precisa agradar não apenas o público infantil (a nova geração), mas ao mesmo, tem que agradar também o público mais velho (a antiga geração). Esse cenário é justamente o que tem peso fundamental nesta nova adaptação de um filme clássico infantil, onde os queridos looney tunes voltaram.

Quando o assunto é desenho animado, um dos principais carros-chefes da Warner Bros. são os looney tunes e todas as suas aventuras mais loucas e divertidas. Depois de dominar a tela pequena, o próximo passo era fazer o mesmo na tela grande e um dos capítulos mais bem sucedidos dentre algumas tentativas feitas chegou através de Space Jam, lançado em 1996. Agora, 25 anos depois, o mesmo mundo do "basquete maluco" ganha vida e traz de volta outra celebridade desse esporte e um time muito popular de desenhos animados inesquecíveis. Os argumentos para criar filme foram bem sólidos (dentro da sua proposta, obviamente) e realmente bem legais.

Particularmente falando, eu ainda prefiro o primeiro filme. No entanto, é impossível negar todos os acertos que estão espalhados nesta nova versão. Os roteiristas foram muito cuidadosos em trazer todos os personagens de peso mais relevante e tratá-los com devido respeito para fazer deles algo que seria bem visto pelo público. Em sua grande parte, o roteiro consegue ser divertido, dinâmico (apesar do seu tempo um pouco esticado para um projeto com esta temática) e traz uma conexão atual com a linguagem moderna da tecnologia dos vídeo games. Sem dúvidas, trata-se de uma tentativa muito bem-humorada de reviver um clássico para uma nova geração.

Tendo consciência desde o seu início de que era preciso alimentar o nível de "surrealidade" a todo custo, todos os eventos que constroem a trama são malucos o suficiente para se encaixarem perfeitamente dentro do que os telespectadores podem esperar (principalmente quem já assistiu o filme original). A mistura entre os humanos, e os desenhos animados acontece de uma maneira meio "abrupta" (quebrando um pouco do encanto que trazia a força essencial deste projeto), mas depois que esse momento "estranho" fica no passado recente, tudo começa a fazer cada vez mais sentido e toda maluquice vista entre as pequenas tramas espalhadas no filme funcionam.

Mesmo que não seja um filme tão icônico quanto o original, a maioria das piadas traz risadas genuínas e traz os elementos clássicos (ao menos alguns deles) que já funcionaram tão bem anteriormente. O time dos desenhos é inserido dentro desta nova aventura de uma maneira inesperada, porque eles vão aparecendo gradualmente, de cenário em cenário que fazem referências incrivelmente divertidas e inteligentes a muitos outros filmes de muitos gêneros diferentes (este é o ponto mais alto das referências cinematográficas e também a melhor ideia original).

Cada personagem é recrutado, em um mundo particular dentro de um imenso mundo animado (que atualmente está "dividido" por um plano malígno criado pelo gande vilão da trama), para participar junto com LeBron (que agora é o protagonista humano do filme) de uma partida de basquete para resgatar o filho dele. Todos estão no radar de um inimigo que tem uma mente megalomaníaca, e que pretende executar um plano audacioso para ter um reconhecimento a nível mundial. No entanto, Don Cheadle não conseguiu trazer uma característica singular, ou ao menos divertida, para tornar o vilão em um bom personagem e fica meio perdido ao longo da trama.

No mesmo barco que Cheadle, está LeBron James (que assim como Michael Joran, demonstrou ser um ator e um intérprete cômico de qualidade altamente questionável). A grande diferença é que Cheadle é um ator que se consagrou em Hollywood em outros filmes enquanto James é um jogador de basquete competente trabalhando fora do seu nicho. Isso quer dizer que quem entregou um trabalho pior foi Cheadle, por não conseguir criar um vilão minimamente crível. No time de dubladores, apenas o nome da Zendaya é o mais famoso e mais eficiente. O restante do elenco também faz um bom trabalho, mas não é tão expressivo no contexto mais generalizado.

Uma das falhas mais chatas no roteiro, é pensar que tudo pode ser feito de qualquer maneira, sem que antes as informações sejam devidamente apresentadas aos telespectadores. Eu sei que todo o filme é uma brincadeira e soa como algo nostálgico, mas ainda sim, dentro de toda à sua surrealidade narrativa, é preciso estabelecer um nível mínimo de conexão com as ideias que estão sendo construídas. Em alguns momentos, o roteiro esquece a sua principal motivação e prefere optar pelo caminho mais absurdo na tentativa de criar algo original (sem ter o resultado esperado). O frenesi cômico muitas vezes soa como algo novo, mas logo fica um pouco cansativo.

A presença de incontáveis personagens de outros filmes (muito mais do que qualquer telespectador consegue e pode contar) inicialmente é uma boa surpresa, mas esse "exercício" de reconhecer todos eles tira o foco dentro da trama e a quebra em alguns fragmentos que são totalmente desnecessários. Apesar de alguns momentos nas cenas finais seram ainda mais inconsistentes, tudo é sustentado pela essência absurda do material original. Uma ideia que tinha um potencial para ser ainda melhor se tivesse sido mais consistente com as suas ideias, desde as suas primeiras cenas (algo focado em aspectos mais familiares) até o seu final essencialmente "dramático".

Dirigido (com momentos alternantes entre o bom, o médio e o ruim) por Malcolm D. Lee, tecnicamente, há um trabalho de efeitos digitias bem interessante e uma explosão de cores bem frenética. No entanto, Space Jam se perde um pouco (apesra de ainda ser um bom filme) por apostar no excesso de personagens, nos cenários, e o seu pior equívoco, talvez tenha sido acreditar que o público iria adorar assistir a uma grande peça de marketing da HBO durante quase duas horas (porque o catálogo dos personagens da emissora é uma presença marcante e ao mesmo tempo bastante incômoda porque acaba "invadindo" um espaço que nunca deveria ter "invadido").



0
0
0.000
8 comments
avatar

Haven't seen Space Jam 2 yet. I'm with you on that it'll also probably be a lot for me to see so many characters propped into one movie, just because. If I read correctly then the movie Who Framed Roger Rabbit did this in a much better and subtle way and there they gave the characters that did make it a chance to shine, however small.

But I still need to see the movie though, to really have an opinion about it and is definitely on my to watch list.

0
0
0.000
avatar

Who Framed Roger Rabbit certainly did a much better job with the cartoons. By the way, I love that movie.

Space Jam: A New Legacy is not that bad, and I think you're gonna like it.

0
0
0.000
avatar

By the way, I love that movie.

Hahaha I really have to find someone who doesn't, although I can imagine that some just haven't seen it yet.

Space Jam: A New Legacy is not that bad, and I think you're gonna like it.

Yes, I think so too and I'll try not to compare the original with the second part hihi

0
0
0.000
avatar

Eu parei pela metade. Infelizmente achei o filme ruim demais

Roteiro chato que não me prendia atenção junto com uma atuação horrível. E para piorar até os desenhos eram horríveis, sem nexo, sem sentido algum.

Pensei que eu podia ter ficado velho, então fui rever o antigo e vi como o antigo era bom, com falas e roteiro bem melhores e o desenho mais fiel ao que sempre foi.

Agora, se o Looney foi feito dessa atual geração, dos desenhos modernos, deve ser por isso que eu não gostei, pois para mim, eu realmente não consigo gostar hahaha

Claro, isso na minha pobre e humilde opinião xD


Posted via proofofbrain.io

0
0
0.000
avatar

Nossa, quanta mágoa no seu coração... Haha! Onde está o seu espírito de criança? ;)

O filme tem os seus problemas, mas eu não achei nada tão "fora da curva" a ponto de torná-lo em algo ruim.

0
0
0.000
avatar

HASHAUSHAUHAS

Ah meu amigo.

Aquilo foi uma decepção para mim e tanto hahahaha

0
0
0.000
avatar

Wow I wish to translate that in Arabic to see the great and beautiful of that in Arabic for the most Arab countries, so to be part of the community too and way forward in the pob community.


Posted via proofofbrain.io

0
0
0.000